Metades de Mim


Trago no peito a alegria
de Deus ter me feito mulher.
Mulher que junta os pedaços, 
sabendo bem o que quer.


Metade de mim é a dor,
outra metade é alegria.
Mas a que quero compor,
bem sei que jamais seria.


A metade das metades
do ser que você vê,
não tem a mesma idade
daquele que não se vê.


Metades de um quebra cabeça
difícil de se montar,
mas embora não pareça
vale à pena tentar.


Metades de fogo e paixão
que me cegam a visão,
metades de gelo total
que me deixam sempre mal.


Metades de um lindo verão
com muito sol e alegria,
metades de inverno são,
minhas tristes agonias.


A perfeição não existe,
disso tenho certeza.
O que na verdade existe,
é uma alma surpresa.


Metade surpresa boa,
outra metade ruim.
Às vezes rindo à toa,
outras triste assim.


Metades que se completam
formando este ser mulher.
Me dê um abraço e um beijo,
se você assim me quer!

 


Autora: Simone Borba Pinheiro
Data: 16/ 03/ 03