Autores de M a P

 

Água, Vida!
Marici Bross

Água é vida,
Água é amor.
Água é energia.
Água é saúde.

Sem ela, não vivo.
Amo a água,
Como amo a vida
Tal qual pisces
Meu signo de nascimento.

É um suave contato,
Por todo meu corpo,
Um fluir mágico
Um fluir de energia.

Cristalina, pura.
Fonte inesgotável de prazer
Sentir você é sentir a vida.
É como o beijo de meu amado.

Sabes me agradar,
Sabes como fazer e ter
Meu amor.

Água, Água...
És, minha vida.
És, minha paixão.

SP-25-01-04 – 22:15h
www.maricibross.com


Enquanto a chuva cai
Marilena Ferioli Basso

Cai a chuva de mansinho,
A noite está tranqüila,
Só se ouve a canção suave
Dos pingos no telhado.
Meu pensamento voa,
Alcança o mundo lá fora,
Verdadeiro campo de batalha.
As pessoas se devoram,
Destroem seu próximo no vapor.
O egoísmo se expande
Fazendo da terra
Verdadeiro inferno.
Não existe liberdade
Para fazer o que se quer,
Tem sempre alguém botando ordem
Onde não é chamado
E, muito menos bem vindo...
Quebrar tabus,
Impor regras,
Romper tradições,
Violar costumes,
Ultrapassar limites de liberdade
São tarefas para aqueles
Inteligentes e ativos
Capazes de desobedecer
Mas que levam nas mãos
As soluções dos problemas...

A chuva aperta,
Caí água em bicas,
Um relâmpago ilumina a sala,
Trovão machuca o tímpano,
Vento balança a cortina...
Meu pensamento retorna,
Enfrenta a dura realidade,
Não vejo muitas saídas
Para melhorar a sociedade.
Elevo a Deus uma prece,
Peço ajuda e misericórdia:
Que a luz desse raio,
Se transforme em farol,
Ilumine a inteligência do homem
Para que todas as suas obras,
Tenham por alicerce "O Amor"


Água no Rio Amazonas
Mário Osny Rosa 

O maior rio do Brasil
Vive momento de aflição.
Seu leito está ficando seco.
Causando preocupação.

A geleiras secaram
Desgelo não aconteceu.
E a agencia das águas?
Em ação não entraram.

A navegação parou
O povo não viajou.
Remédio não chegou
Ninguém imaginou.

Que o rio fosse vitima
De tão cruel clima.
Logo em pleno inverno
Virando num inferno.

Pobre povo ribeirinho
Que vai perdendo o ninho.
Saciar a fome dos menininhos
Ficando sem os peixinhos.

Nesse país continental
Uma grandeza nacional.
Num Estado majestoso
Em estado calamitoso.

Salvem o rio Amazonas
Que é uma parte do Brasil.
Que dignifica seu povo
Verdes matas sob céu de anil.

São José/SC, 24 de maio de 2006.

morja@interagte.com.br

www.mario.poetasadvogados.com.br


Lamento no Dia da Água
Mário Osny Rosa

Esse é o dia de falar
Primeiro da água da chuva
Um dom da natureza
Sem nenhuma impureza
Longe dos grandes centros.
Onde a chuva ácida
Tudo queima tudo mata.
Esse um dom do homem
A sua ousadia de poluir
De logo rico ficar
Mas tudo vai matar.
Contaminando o ar
Olhem sós os rios
Dá um certo calafrio
Vendo os poluídos.
Cortando grandes cidades
Uma verdadeira calamidade
Grande bem da humanidade
Mas pela falta de qualidade
Torna-se uma desumanidade.
A água esse bem da natureza
Pela falta de quantidade
Em certas oportunidades.
Faz o povo sofrer
Até mesmo morrer
Ninguém vai socorrer
Logo água fornecer.
Toma água barrenta
Num subsolo rico de água.
Quem vale mais o petróleo
Ou a água?
Sem falar em outras reservas.
A reserva do aqüífero guarani
Uma das maiores reservas
No sul do Brasil atingindo
Outros países Argentina e Uruguai.
E as reservas de águas minerais?
O pobre bebendo água sem tratamento
Ou tratamento sem qualidade
Que traduz em enfermidade.
Que a água mineral um bem natural
Fosse também um bem social.
Beber água um direito de todos
Água de boa qualidade
Para o bem da sociedade.
Se as riquezas do subsolo
É um bem da União
Sendo um bem da União
Seria também do grande povão.
Que pisa esse bendito solo
E só vive de emoção.
Combalindo de desnutrição
A grande pobreza
Dessa grande nação.
Que esse dia da água
Seja um dia de grande reflexão.

São José/SC, 20 de março de 2.006.
morja@intergate.com.br

www.mario.poetasadvogados.com.br


Gotinha Um Desafio
Mário Osny Rosa

Desafios das gotinhas,
Que cai das alturas.
Faz crescer plantinhas,
Verdadeiras rainhas.

Molha e corre pela terra,
Forma riachos e rios.
Em grandes desafios,
Fundo da rocha é reserva.

Quem ousaria um dia,
Cobrar essas gotinhas.
Se ele não a produzia,
E nem a entregaria.

Quando um dia ela faltaria,
Os bens da natureza.
São intocáveis com certeza,
Privatizar as gotinhas.

Que seriam recolhidas,
Antes de cair na terra.
Seriam elas vendidas,
Que verdadeira guerra.

Cuidar da mãe natureza,
É uma obrigação do poder.
Manter toda a beleza,
Que a todos vai satisfazer.

E ter muitas gotinhas para beber,
Gotinhas que a sede vai matar.
Que todos querem ter e sorver,
Muitos já estão a esperar.

Florianópolis, 23 de março de 2005
morja@intergate.com.br



Água
Maurício Santanelli

Água pura que jorra da fonte
e que a nossa sede sacia...
Água que lá longe demarca o horizonte
onde o por-do-sol é pleno de encanto e de poesia

Água que cai cristalina das cachoeiras
e que ao nos banhar temos a alma também lavada
Água que por através das corredeiras
nossa angústia é pra bem distante por ela levada

Água que corre continuamente através dos rios
caminhando cada vez mais forte rumo ao mar
Que ultrapassa ou contorna os seus desafios
por saber exatamente aonde quer chegar...

E se no caminho, com árido deserto ela se defrontar
permitirá que o sol, para gás, mude então a sua forma
pois sabe que o vento como ar irá lhe transportar
E que como chuva posteriormente ao mar ela retorna

E é neste ciclo de nascer morrer e renascer...
Que a vida deste planeta-água vai se perpetuando
E é através da coragem deste seu sábio proceder...
que o dom da vida vai então a água, nos ensinando...


“E disse Deus: haja uma expansão no meio das águas e haja separação entre águas e águas.
E fez Deus a expansão, e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão das águas e as águas que estavam sobre a expansão. E assim foi.
E chamou Deus à expansão céus e foi a tarde, a manhã do dia segundo.”
Gênesis 1:6 a 8.

O Dia Mundial das Águas
Mercêdes Pordeus

Água, riqueza mineral ao mundo tão indispensável
Ganhou no ano um dia especial para conscientização
Uma prevenção, para a vida não se tornar insustentável,
Assim, nesse dia, que dos outros será uma sucessão.

Ao homem mostra o mal que tem feito a si próprio
Guia a continuidade do futuro de geração em geração
Um momento de reflexão, homem! Preste atenção às súplicas
Aos quatro cantos da terra levadas como motivo de comoção.

Água límpida, cristalina e pura de Deus o homem recebeu
Garantia de uma vida saudável, Ele ao homem concedeu
Uma dádiva, como toda a criação que na natureza existe
Ao homem presenteou e disse: Filho, a ti preservar consiste.

Ao longo do tempo, o homem foi poluindo toda a natureza
Geralmente, pela incapacidade de ver-se auto destruindo
Unicamente por não ter uma visão refletida no futuro
A mortandade das espécies, o rio e o mar já não são puros.

Recife, cidade das águas e considerada a Veneza Brasileira
Entrecortado por rios, sob as pontes tão rara beleza
Contudo, não foge a regra do descaso pelo ser humano
Inconstante, pobre homem! E ainda se julga soberano
Focado como um pedacinho do Brasil e do mundo, Recife 
E tão linda, mesmo assim, a tristeza traz nela contida.

Recife/PE
13/03/2005

Publicado em:
- TERRA LATINA, Antologia Internacional (2005) ISBN 85-905170-2-0.
Edição ABRALI - Curitiba.


Olho D'água 
Nadir A. D'Onofrio

Camuflada, asfixiada,
Nas entranhas da terra mãe,
Decidi me rebelar e à tona aflorar.
Fui surgindo gota a gota...
Clara cristalina.
Tomo a forma de fonte,
Assim...tua sede vou saciar.
Querendo ainda agradar, virei lago!
De sentimentos represada.
Não quero viver assim...rompo barreiras...
Jorro...sou cachoeira...
Novamente tentam, minha fúria represar,
Terei que abastecer aldeias, cidades...
Transformaram-me em simples riacho.
Sigo meu curso...cansada,
Quase sem vida...
Deságuo num grande rio,
Sinto-me mais protegida!
Busco uma força maior,
Vou rolando sobre pedras,
Até no mar desaguar...
Agora, sou vagalhão, 
Onda, sal, espuma!
Transmutação mais que perfeita...
Para teu corpo acariciar !

Nadir A. D'Onofrio
Santos - SP
www.nadirdonofrio.com


Alma das Águas
Nany Schneider

Claras são as águas das fontes, 
Que matam a sede das matas.
Águas separadoras abaixo das pontes,
Onde o homem não pode enxuga-las.

Turvas são as águas dos rios poluídos,
Pelo descaso e acaso da ignorância.
Trabalho de profissionais instruídos,
Que têm em mente, apenas ganância.

Águas que vêm e que vão incessantes,
Embelezar a praia pura e deserta,
Onde o olhar perde-se em instantes,
Em memórias singelas e incertas...

Águas bravas e turbulentas...
Criando pânico e destruição.
Águas que vêm das tormentas,
Despedaçando o coração.

Água Benta da Santidade,
Águas doces, águas salgadas...
Água que higieniza a humanidade,
Água dos olhos, por lágrimas derramadas.

São tantos os segredos das águas...
Repentes que só a elas pertencem.
São tantas que levam as mágoas...
Águas de almas latentes...

19/05/2006 14:58

Curitiba-Paraná

www.bettyboopstar.com.br


Água ...
Nídia Vargas Potsch

Água ... que refresca
que lava
que faz chover ...

Água ... que abençoa
que redime
que faz florescer ...

Água ... que escorre
que inunda
que faz morrer ...

Água . que sacia a sede
que sustenta o caos
que faz viver ...

Bendita Água! ... que faz tudo acontecer ...

Nídia Vargas Potsch
@Mensageir@



As Águas
Nídia Vargas Potsch

Nestas pastagens verdes
que me encanta o olhar
que me faz repousar em sonhos,
vejo fontes de águas cristalinas
tranqüilas a jorrar .
Tão puras, que restauram e transformam
minhas forças, meu pensar .
Que Águas serão essas?
Pertencem à Mãe Terra ... ouço vozes a falar!
Se um desejo meu, ainda que em sonho,
valer, ordeno ás vestais:
Levem-na aos portais do fim do mundo!
Onde num piscar de olhos,
do mais simples casebre,
ás fortalezas inespugnáveis,
romperão suas barreiras,
criando elos de Paz,
porque conta de todos aqueles 
que por aqui passaram
e dessa vivificante Água provaram ...

Nídia Vargas Potsch
@Mensageir@


Cae el Agua a Través de Mi Ventana
Nora Lanzieri / Argentina

Cae el agua a través de mi ventana
y se desliza suavemente por el vidrio
quieta e inmóvil estoy...
esperándote amor de mi delirio.

Cae el agua lentamente en esta tarde,
tu ausencia siento a cada instante
y mis lágrimas corren en mi mejilla
queriendo jugar como las hadas.

Pura y cristalina el agua pasa
como el amor que mi corazón, 
por ti derrama...
eh de esperarte, ¿vendrás mañana?...

Agua que limpias mis tristezas, 
y calmas mi horas largas,
él, es mi amor imposible...
que mi sensible corazón, solo ama.

Todos los derechos reservados 438744®

www.noralanzieri.com


Água Nos Olhos
Ógui Lourenço Mauri

Meus olhos cheios d'água... nada fiz!
Só deu pra ver um confronto desigual
De um bandido matando o policial;
O "Poder do Crime" tomando o país...

Aquele assassino, de metralhadora!...
Um soldado e sua arma sucateada!
A polícia cada vez mais desarmada,
A criminalidade mais avassaladora.

Meus olhos cheios d'água... Morreu um pai!
Nas prisões, as leis emanam dos bandidos;
Nós, cidadãos de bem, estamos perdidos,
O povo, com medo, nem às ruas sai...

Deus, ainda há político que presta?
Precisamos de uma reversão urgente:
Atrás das grades, o bandido; e não a gente!
Esta é a esperança que nos resta!

Meus olhos cheios d'água... Pelo Brasil!
Políticos, ajam mais e roubem menos!
Dêem atenção para nossos acenos:
Inibam o crime; à polícia o fuzil!

Ógui Lourenço Mauri
19/05/2006


O Rio
Pedro Valdoy

Entrei numa gruta
escura e silenciosa
Sentei-me
meditava no sossego
daquele lugar

Pingos
passavam no silêncio
gota a gota
como lágrimas
como pérolas saltitantes

Um rio começou a formar-se
lentamente
perante meus olhos
Era o milagre da natureza
para uma longa viagem

Rapidamente
invadiu terras e vales
Aquela água fresca
límpida e serena
deslizou no silêncio

Bailava na imensidão
o seu sonho 
era beijar o mar
Sentir-se grande
mesmo muito grande

As crianças satisfeitas
chapinhavam alegremente
naquele cauda
que aumentava serenamente

Continuei no meu posto
e olhava embevecido
seu longo percurso
e sorri para a humanidade
onde reinava a paz.

Lisboa Maio 2006