Um Sonho Encantado


Uma eterna e doce melodia
Das cordas da harpa ecoava
Suaves lembranças da infância
A pureza do tempo voltava


Pequenas irmãs e amigas 
No arco-íris a brincar
Com lápis multicoloridos
No azul do céu a pintar


Com as estrelas em sinfonia
Unidas em circulo a cantar
Coração saltitando de alegria
De mãos dadas a cirandar


Com as bonecas amiguinhas 
Junto à cama a rezar
Pedindo ao Papai do Céu
Com lindos anjos sonhar


Sonho de menina encantada
Em um nobre castelo de fadas
Dedilhadas melodias de ninar
Por anjos em harpas douradas


Num carrossel de cavalos alados 
Voava de asas dadas aos anjos
Nos lábios a beleza de um sorriso 
Pelo encanto de um sonho mágico


Um raio de sol pela janela
Anunciava um novo dia
E ao cantar de pássaros coloridos
A menina ao sono se despedia


Olhos cansados em face enrugada
Corpo arqueado por lutas diárias
Em sonho encantado a vovó voltava
As eternas lembranças de sua infância


Uma eterna e doce melodia
De pequenas irmãs e amigas
Com as estrelas em sinfonia
E as bonecas amiguinhas


Um sonho de menina encantada
Em um carrossel de cavalos alados
Um raio de sol pela janela
Os olhos cansados em face enrugada



Cândido Pinheiro
23 Janeiro 2004
Santa Maria - RS - Brasil