Parquinho da Mamãe
(Homenagem a Jacira Cardoso)

Aconchego gostoso, só meu... todinho meu
Parquinho que brinco e reviro brinquedos
Não tem caixa de areia,
Mas invento mil maneiras de brincar
Tudo é do meu jeito, giro e balanço
Chuto, canso e descanso comigo mesmo
E ao carinho me aninho, quietinho para dormir
Sem horas para passar, pois acordo quando quero
Não há despertador que me incomode
Deliciosas férias dentro de você


Me banho a todo instante, sei nadar e mergulhar
Sou pequenino, ainda chupo meu dedinho
Vou crescendo aos pouquinhos, sem pressa de sair
Pois sei que ao romper a luz do dia, ao parque não volto mais
Em meus olhos não vejo você, mas te sinto a todo o instante
É um pulsar galopante batendo junto ao meu, eu sei ...
É teu coração gigante mamãe, repleto de amor por mim


Eu ouvi conversas de que tem um momento certo
Mas não te apavora mamãe, você terá uma boa hora
Porque quando eu cansar mesmo de brincar
Eu saio no meu instante...eu te aviso um pouquinho antes
E, ai sim, vou gritar pra todo mundo ouvir, que eu cheguei
Não precisam me bater só porque eu estava a brincar no parquinho
Pois papai e você mamãe sabiam que eu estava lá...
ou não sabiam?



Cândido Pinheiro
14 Fevereiro 2004
Santa Maria - RS