Força Interior



Bati a porta e com raiva sai sem olhar para trás
Desorientada e sem destino perambulei pela noite afora
Meu orgulho ferido era mais forte que o amor que sentia
A boca que antes me beijava em cólera me feriu em desatino
As mãos que sempre me acariciaram e afagaram
Foram as mesmas que em meu rosto explodiram


Desconheci você a partir daquele instante...você morreu pra mim
Amargurada e humilhada em uma esquina qualquer do destino
Chorei todos os oceanos em lágrimas para desafogar a minha tristeza
Pois meu amor por você foi incondicionalmente de corpo e alma
Fui só tua...simplesmente nua e crua...
E agora...por você fui despojada, enganada...fui trocada


Olhei para o alto a procura e não avistei o Senhor 
A cidade movimentada em multidões, parecia-me vazia
Escassas as esperanças de voltar um dia a ser quem eu era
Perdi meu lenço e os documentos numa rua qualquer do tempo
Triste sina de quem pecou em amar unicamente por amar
Mas de repente, meu coração em alerta sussurrou: Eu estou aqui...


...Sou luz divina de fé, tua Força Interior!
Eu sou o Senhor que procuras...
Naquele instante o mar revolto tornou-se calmo e tranquilo
No rosto as lágrimas secaram de um sopro fraterno
Acolhida por seus braços, recostei-me sobre o seu colo
Suas mãos acariciaram os meus cabelos e mansamente falou-me:


"Eu moro no seu coração e quando precisares de mim 
procure-me dentro de você. 
Eu sou o único capaz de livrar-te de todos os infortúnios.
Levanta-te e ergue tua cabeça, pois de agora em diante terás um novo caminho a percorrer e, ao meu tempo, 
estarás eternamente comigo."


Com novos passos segui em frente, para trás apenas a sombra de meu corpo, e à frente nascia no horizonte um radiante sol anunciando que a cada dia Deus nos dá a oportunidade de começar de novo, recomeçar, nascer, renascer, tentar sempre ou até mesmo sacudir a poeira e dar a volta por cima.




Cândido Pinheiro
24 janeiro 2004
Santa Maria - RS - Brasil