A Arte De Amar À Distância



Quando olho a sua foto,
lembro dos momentos bons,
dos beijos que sonhamos beijar,
dos abraços que sonhamos abraçar...
Lembro do você a todo o momento...
Lembro de você a todo vão segundo...
Que passa como uma eternidade,
sem você no meu mundo.

O céu não tem mais razão para estar azul...
Nem o sol, para brilhar...
Aliás, já me acostumei com os dias frios do Sul...
E não há nada que me esquente...
Nem o chocolate quente...
Nem o café recuperante...
Nem o chá aconchegante...
Só você pode me esquentar.
Considere isso uma honra!
E venha me abraçar logo!
Antes que eu perca a paciência...!

Meus lábios são só teus!!!!
Tento encontrar-te em outros olhos,
outros braços e outras bocas,
mas és único para o meu coração...
E diferentemente das outras vezes,
ele não está cego...
Está simplesmente apaixonado...
Enamorado sem enamorar-se...
Buscando algo que nunca chega...
E que, provavelmente, não chegue jamais...

Minha face no espelho,
não nega a tristeza ao perceber,
que ao meu lado, na imagem,
só há a banheira, cuja água começa a encher...
Você deveria refletir no espelho também! Enfim...
Deito-me despreocupadamente na água.
Fecho os olhos, e tento esquecer...
De você, e de tudo.

É claro e óbvio que não consigo...
Porque amor a gente ama e ponto.
E minha memória, infelizmente, é de elefante...
Vê uma vez e não esquece.
Ama uma vez, e nunca deixa de amar.
Gosta uma vez, e nunca vem a desgostar.
Beija uma vez, e mesmo que em silêncio,
continua a beijar, a sua foto no criado mudo...
Pois tu te foste...

 



Autoria: Andréa Borba Pinheiro